Geral Sociedade

Medicamento de alto custo chega para viúva cinco dias após morte do marido

Foto: Arquivo Pessoal

Ana Lúcia ficou só, com dinheiro dos filhos de 32 e 19 anos que têm retardo mental grave e comprometimento significativo do comportamento

 

Cinco dias depois da morte do seu marido, José Carlos de Lima, de 55 anos, a viúva Ana Lúcia de Proença, também de 55 anos, recebeu um telegrama com autorização para retirada de um medicamento de alto custo que ele precisava.

José Carlos teve complicações depois de cirurgias no intestino e na perna e não resistiu. Ele estava internado na Santa Casa de Sorocaba (SP). De acordo com a esposa, no mês de agosto o médico receitou que José fosse medicado diariamente com xarelto, um remédio recomendado no tratamento de trombose venosa ou embolia pulmonar.

Foi preciso que a família entrasse na Justiça para conseguir as doses. Conforme o Departamento Regional de Saúde (DRS) de Sorocaba, o medicamento não faz parte da lista do Ministério da Saúde para distribuição no SUS.

A Procuradoria Geral do Estado pediu a revogação da liminar concedida no dia 2 de dezembro, “tendo em vista a existência de outros medicamentos similares de igual eficácia” e que são fornecidos pelo SUS.

Contudo, entre outras complicações, o paciente precisou ser internado e não resistiu no dia 23 de dezembro.

A Secretaria de Estado da Saúde informou em nota que o departamento realizou a compra do medicamento sendo adquirido dentro do prazo da decisão judicial.

Ana Lúcia ficou só, com dinheiro dos filhos de 32 e 19 anos que têm retardo mental grave e comprometimento significativo do comportamento, o que requer cuidado específico, segundo os médicos.

Foto: Arquivo Pessoal

Por conta disso, ela entrou com um segundo processo na Justiça para tentar o home care com cuidado diário, medicamentos, fraldas descartáveis, órteses para os pés de um deles, luvas, lenços e álcool em gel. O estado clínico dos filhos é irreversível.

Com informações do G1

 

Publicidade