saúde

Demência senil. Doze estilos de vida que favorecem o declínio cognitivo

Na origem de cerca 40% dos casos de demência estão estilos de vida pouco ou nada saudáveis. Novos estilos de vida podem evitar ou retardar quase a metade dos casos, e muitos deles são na verdade hábitos facilmente modificáveis.

Por: Equipe Oásis 

 

Velho em estado de demência

No mundo, 50 milhões de pessoas sofrem de demência: estima-se que ao redor do ano 2050 eles poderão ser 152 milhões.

Trabalhar em 12 aspectos modificáveis da vida pode prevenir ou atrasar 40% dos casos de demência, de acordo com um relatório da Comissão Lancet (https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)30367-6/fulltext) sobre prevenção, intervenção e cuidado da demência que foi recentemente enriquecido e atualizado. Se alguns fatores de risco que predispõem ao desenvolvimento de demência, como a genética, não podem ser modificados com os recursos tecnológicos hoje disponíveis, podemos, em vez disso, trabalhar no estilo de vida – este sim, quase sempre é modificável.

Uma versão anterior da análise da Comissão Lancet argumentou que cerca de um terço dos casos de demência em todo o mundo são evitáveis ou retardados abordando nove fatores de risco: educação reduzida, hipertensão, perda auditiva prematura, tabagismo, obesidade, depressão, sedentarismo, diabetes, contatos sociais fracos. A edição de 2020 do relatório acrescenta mais três: consumo excessivo de álcool, exposição a ferimentos na cabeça, poluição do ar.

Tomados em conjunto, abordar esses 12 fatores modificáveis ??poderia prevenir 40% dos casos de demência, ou pelo menos atrasá-los. Há, portanto, um amplo campo de ação, em particular – sublinha o estudo – em países de média e baixa renda, onde os casos de demência estão aumentando mais rapidamente, graças à disseminação de alguns dos fatores de risco mencionados (baixa escolaridade, perda de audição e doenças ligadas à desnutrição, como hipertensão, diabetes e obesidade).

A mente se esfacela

Começar logo

Talvez o ponto mais interessante do estudo seja que nunca é muito cedo ou muito tarde para prevenir o risco de demência. Como escrevem os seus autores, os riscos que podem ser colocados em uma idade jovem, antes dos 45 anos – como menos escolaridade – afetam a reserva cognitiva, ou seja, a capacidade do cérebro de se recuperar de danos cerebrais. Os fatores que distinguem a meia-idade e a velhice afetam a reserva cognitiva e também podem desencadear desenvolvimentos neuropatológicos.

Os três novos fatores de risco encontrados estão associados, em geral, a 6% do total de casos de demência; 3% é atribuível a lesões cerebrais durante a meia-idade – por exemplo, aquelas associadas a trabalhos perigosos; 1% dos casos estão associados ao consumo de álcool superior a 21 unidades (uma unidade de álcool é a que contém um copo de vinho ou uma lata de cerveja) por semana; 2% à exposição à poluição do ar, principalmente na velhice.

Pessoas com risco de demência também estão particularmente expostas ao risco de CoViD-19 devido à idade, doenças prévias e dificuldades em aderir a medidas preventivas, como o distanciamento físico. Intervir na pobreza e nas desigualdades (por exemplo, promover uma educação de qualidade para todos, especialmente em países onde a escola não é priorizada, ou garantir a possibilidade de uma alimentação adequada) também possibilitaria beneficiar-se da prevenção da demência.

About the author

Ataide Santos

Add Comment

Click here to post a comment

Publicidade