Sem categoria

Vicente Pires tem quase 13 quilômetros de pistas niveladas

O esforço do Governo de Brasília para facilitar a vida dos moradores de Vicente Pires após ação da chuva tem resultados visíveis. Nesta terça-feira (7/05), 70 máquinas e 365 colaboradores vinculados ao Gabinete de Gestão de Crise foram às ruas com objetivo de executar ações emergenciais que tornem as vias mais trafegáveis enquanto as obras definitivas seguem seu curso. Já são quase 13 quilômetros de pistas compactadas e niveladas. Não há prazo para fim da força-tarefa.

13 quilômetrosde pistas compactadas e niveladas

Equipes do Departamento de Parques e Jardins da Companhia da Nova Capital (Novacap) e cem garis do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) limparam pistas, podaram as árvores e roçaram grama. Foram 15 quilômetros de capinagem, 96 quilômetros de varrição e mais de 60 toneladas de remoção mecanizada de lixo. As ruas 3 de Vicente Pires e da Colônia Agrícola Vicente Pires também receberam esforços das equipes do governo, além das ruas 4A, 4B, 8 e 10. Ao todo, foram 8,1 quilômetros de nivelamento, 157.376 metros quadrados de roçagem, 40 toneladas de serviços de tapa buraco.

Morador da rua 10 desde 2004, o metalúrgico Argemiro Amadeu, 57 anos, diz que as ruas estavam intransitáveis após a tempestade de quinta-feira (2). “Agora parece outra cidade! O cenário era de devastação. Cheguei a percorrer cinco quilômetros a mais por dia, para trafegar por fora, porque era impossível passar pelas ruas.”

Serviços não param

Desde que foi instituído o Gabinete de Gestão de Crise de Vicente Pires na última sexta-feira (3), foram executados 12,8 quilômetros de nivelamento e compactação das pistas, além de 60 toneladas de buracos tampados pela cidade e quase 300 metros quadrados de roçagem. O grupo, formado por secretarias, autarquias e estatais, não tem prazo para ser dissolvido. Enquanto for necessário, todos estarão a postos para solucionar problemas imediatos. Você pode acompanhar as ações diárias realizadas pelo GDF em Ação no site da Agência Brasília.

Por dia, são realizados 500 metros de nivelamento e compactação de pistas. O trabalho começou logo na sexta, quando, após a tempestade, as entradas dos condomínios foram limpas para devolver o acesso dos moradores. No fim de semana, a liberação das ruas foi iniciada. Na segunda (6), uma das áreas mais complicadas, a rua 10, foi devolvida à população com nivelamento da pista. De acordo com Daniel de Castro, administrador regional de Vicente Pires, a previsão é que a preparação para recapeamento do trecho seja iniciada na quinta-feira (9).

“Vicente Pires foi construída às avessas, como o governador costuma dizer. Primeiro, deveria ter sido feita obras de águas pluviais. A grande dificuldade é a diferença de nível. As ruas 8 e 10, começam na região do Taguaparque e seguem até a rua 3, que vai até a EPTG. A diferença de nível é de 112 metros, equivale a um prédio de 35 andares”, descreve Marcelo Galimberti, subsecretário de Acompanhamento e Fiscalização de Obras (SUAF). O comandante das operações do Gabinete de Gestão de Crise explica que, por isso, quando a água da chuva é acumulada, ela ganha força e desce em velocidade deixando rastros de destruição.

O DF Legal, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) e a Companhia de Abastecimento e Saneamento Básico (Caesb) fazem, em primeiro momento, ações educativas para orientar a população a respeito de ações irregulares cometidas na cidade. Pelas ruas, os responsáveis explicam o depósito correto de entulho, águas que não podem ser reutilizadas e lançamento de esgoto. Depois, em segundo momento, as ilegalidades devem ser punidas.

Gabinete de Gestão de Crise

O grupo é composto pelas pastas de Cidades, Comunicação, Relações Institucionais Saúde, Meio Ambiente e o Conselho Permanente de Políticas Públicas e Gestão Governamental do DF (CPPGG/DF). Também participam do comitê o Departamento de Estradas e Rodagem (DER), o Departamento de Trânsito (Detran), a Companhia Energética de Brasília (CEB), a Polícia Militar (PMDF), a Defesa Civil, a Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), o Banco de Brasília (BRB), o DFTrans e o DF Legal. Além disso, detentos vinculados à Subsecretaria do Sistema Penitenciário atuam nas melhorias.

Obras definitivas

As obras de infraestrutura definitiva de Vicente Pires foram divididas em 11 lotes e nove estavam em andamento. No entanto, as empresas responsáveis pelas áreas 2 e 8 pediram distrato. “O Estado entrou com equipamentos públicos para fazer as obras emergenciais que podem ser feitas enquanto isso é resolvido”, explica. A expectativa é que tudo seja solucionado em 15 dias, com chamamento dos segundos colocados na licitação, mas ainda depende de ajustes contratuais realizados pela área jurídica.

Fonte: Agência Brasília

Faça um comentário

Clique aqui para fazer um comentário