GDF saúde

Centro de Radioterapia é inaugurado em Taguatinga

Governo do Distrito Federal (GDF) investiu mais de R$ 9 milhões no centro de tratamento contra o câncer e pretende zerar as filas de espera.

Por Maurício Nogueira

A população de Taguatinga-DF ganhou um Centro de Radioterapia que pretende atender 25 pessoas por dia e zerar a fila de pessoas à espera do tratamento de câncer. Com investimento de 9,1 milhões de reais, o espaço destinado a pacientes oncológicos foi inaugurado nesta quarta (30).

Inicialmente, a unidade vai atender 25 pessoas por dia e ajudar a zerar a fila que contém 134 pessoas. Hoje, esse tipo de tratamento é realizado no próprio Hospital Regional de Taguatinga (HRT) e no Hospital Universitário de Brasília (HUB), além de unidades contratadas junto à rede privada.

Hospital Oncológico de Brasília

Na cerimônia de inauguração da unidade de Radioterapia, sobre o Hospital Oncológico de Brasília, o governador Ibaneis Rocha afirmou que “amanhã nós teremos o encerramento desta licitação e vamos entregar o hospital ainda no nosso governo, completando todo esse ciclo do tratamento oncológico no DF e nos colocando no nível de vários outros estados”, garantiu.

O projeto consiste em uma unidade hospitalar com 172 leitos, sendo 152 de internação e 20 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), além de consultórios multidisciplinares, alas para tratamento de quimioterapia, radioterapia, medicina nuclear, endoscopia e salas de cirurgia conjugadas.

Exames de imagem, como mamografia, ultrassom e raios X, também poderão ser realizados no local. A unidade, que será erguida no Setor Noroeste, terá capacidade para atender nove mil pacientes por ano.

Melhorias

Dos R$ 9,1 milhões, cerca de R$ 3 milhões foram destinados à compra de um acelerador linear. O acelerador linear é um equipamento utilizado em uma modalidade do tratamento de câncer, que é a radioterapia.

Ele gera uma forma de radiação por meio de corrente elétrica. O equipamento direciona a radiação para a área que se deseja tratar e promove a destruição do tecido doente.

Essa modalidade de tratamento do câncer é muito importante para uma série de tumores, empregando radioterapia associada à quimioterapia.

Para muitos pacientes, a existência desses equipamentos é uma opção de cura para a doença.  “É um aparelho que reduz muito a quantidade de sessões para tratamento da maioria dos cânceres. Com isso, a gente entrega à população do DF aquilo que ela merece”, disse Ibaneis Rocha.

Trabalho em conjunto

O superintendente da Região de Saúde Sudoeste, Wendel Antônio Alves Moreira, destacou que o trabalho “é uma conquista de um governo que trabalha conjuntamente, ouvindo a população, e que entrega hoje este equipamento moderno, que não deve nada à iniciativa privada e quiçá vai ser o primeiro a fazer radiocirurgia pelo SUS”.

O prédio do Centro de Radioterapia ocupa uma área de 860 metros quadrados, ao lado do HRT. A sala onde foi instalado o acelerador linear foi construída com materiais especiais e paredes de concreto de alta densidade, chamada de bunker.

Essa estrutura é necessária para evitar que a radiação se espalhe no ambiente. O centro conta com recepção, salas de espera, consultórios, banheiros e todos os ambientes conforme a Lei de Acessibilidade.

O que o acelerador linear possibilita:

  • Radioterapia Guiada por Imagem;
  • Radiocirurgia;
  • Terapia de radiação corporal ablativa estereotáxica;
  • Radioterapia Estereotática Fracionada;
  • Redução do tempo de tratamento.

*Com informações da Agência Brasília

Faça um comentário

Clique aqui para fazer um comentário