Projeto recupera tartaruga considerada extinta há 150 anos em Galápagos

Uma espécie de tartaruga gigante – que era considerada extinta há 150 anos do Arquipélago de Galápagos, no Equador -, será reproduzida em cativeiro depois de estudos confirmarem que animais achados na última década têm parentesco com a espécie.

O programa de reprodução, que inclui 32 tartarugas, das quais 19 são descendentes da espécie Chelonoidis niger, “permitirá, a médio prazo, repovoar a ilha Floreana (no sul do arquipélago)”, segundo informou nesta quarta-feira (13/9), o Parque Nacional Galápagos (PNG).
A espécie Chelonoidis niger, antes conhecida como Chelonoidis elephantopus, foi dizimada por caçadores de baleias, que usavam os animais como alimento. Para aliviar a carga dos barcos, eles abandonavam tartarugas vivas no mar próximo à ilha Isabela (a 180 quilômetros de Floreana), pois aquele era o último ponto de parada antes de entrar em mar aberto.
O deslocamento dos animais causou a extinção da espécie de sua ilha de origem, mas permitiu que agora apareçam exemplares na ilha Isabela, vizinha, com carga genética parecida.
O programa de reprodução em cativeiro desta espécie ajudará a “repovoar a ilha (Floreana) com tartarugas não ‘puras’, mas com altíssima influência de sua própria espécie”, disse Washington Tapia, diretor da iniciativa para a Restauração das Tartarugas Gigantes.
Pesquisadores do PNG e da organização Galápagos Conservancy fizeram duas expedições – em 2008 e em 2015 – para coletar amostras de sangue das tartarugas. Foram analisadas geneticamente 150 animais.
O trabalho de reprodução e a descoberta são “um grande desafio” porque “significa devolver a Galápagos ecossistemas saudáveis que tenham a capacidade de seguir produzindo benefícios”, declarou Walter Bustos, diretor do parque.

Laboratório

O Arquipélago de Galápagos é Patrimônio Natural da Humanidade desde 1979. O local serviu de laboratório ao naturalista inglês Charles Darwin para desenvolver a teoria sobre a evolução das espécies em meados do século 19. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *