Projeto de pesquisas pelo número 156 disputa concurso nacional

Com um projeto que usa o sistema telefônico do governo de Brasília, a Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) é um dos três órgãos do Executivo local finalistas do 21º Concurso Inovação, organizado pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap).

Feito para aumentar a eficiência em pesquisas, o Projeto de Avaliações Populares sobre a Qualidade dos Serviços Públicosusa o número de telefone 156, do Executivo local, para entrar em contato com cidadãos e levantar informações sem que haja gasto a mais para a companhia.

“Com isso, pudemos fazer pesquisas sobre a Lei do Silêncio e a de Uso e Ocupação do Solo (Luos), além de questionar sobre a qualidade do atendimento do Serviço de Limpeza Urbana e da Agência de Fiscalização do DF”, destaca o presidente da Codeplan, Lucio Rennó.

Segundo ele, sem o serviço, seria preciso ir até a casa das pessoas para levantar as informações pessoalmente. “As pesquisas exigem amostras científicas da população. Antes, teríamos que fazer face a face, com custo muito alto de locomoção dos pesquisadores”, justificou o presidente.

Agora, com o uso da central 156, é possível levantar informações com cerca de 5 mil pessoas em uma semana, o que possibilitou fazer consultas que a Codeplan não conseguia. E como o serviço já é do governo, não tem custo a mais para a companhia.

Para conseguir os contatos dos cidadãos para as pesquisas, o Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF) forneceu o cadastro de carteira nacional de habilitação (CNH) dos condutores de Brasília. “É a base de dados mais completa e atual da população que o governo tem”, explicou Rennó.

Brasília participa de concurso com quatro projetos

Além da Codeplan, a Controladoria-Geral do DF e a Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) também estão com trabalhos inscritos no concurso da Enap. Com eles, o governo de Brasília participa com quatro projetos na seleção.

A Controladoria-Geral está com dois projetos inscritos. O primeiro é uma auditoria com alunos da rede pública que teve os resultados apresentados para a Secretaria de Educação em setembro de 2016. Com isso foram levantados os problemas que as crianças encontram nas escolas de Brasília.

O outro foi a implementação da versão on-line da Ouvidoria do DF, que permitiu aumentar o atendimento do serviço no ano de 2016.

Já a Caesb concorre com o Projeto Atlas, que usa georreferenciamento para centralizar os dados levantados pelos diferentes setores da companhia e facilitar tomadas de decisões no gerenciamento das redes de água e de esgoto de Brasília.

Fonte: Agência Brasília

Compartilhe em suas redes sociaisShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *