Por segurança no trânsito, pilotos de moto agitam o Eixo Monumental

Com o objetivo de incentivar a segurança no trânsito, cerca de mil pilotos de moto passaram em carreata pelo Eixo Monumental na 3ª edição do Passeio Motociclístico, parte do calendário do Maio Amarelo 2018.

Os números foram estimados pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF), que organizou o evento.

Junto com a Polícia Militar do DF e o Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF), o DER-DF fez a escolta dos condutores com 80 agentes. Eles fecharam as vias para a passagem do comboio desde as 20h30, quando saíram do Estádio Mané Garrincha.

A caravana saiu em direção ao retorno situado entre o Memorial JK e o Memorial dos Povos Indígenas. De lá, seguiu até o Congresso Nacional e a Ponte JK. No primeiro trevo depois da estrutura, os pilotos retornaram para o estádio.

O Detran distribuiu laços amarelos para os motociclistas colocarem nos capacetes como lembrança do Maio Amarelo, símbolo da campanha pela paz no trânsito.

O departamento também entregou panfletos educativos sobre os bolsões de motos, espaços destinados aos veículos de duas rodas próximos a semáforos para diminuir gargalos.

Nós Somos o Trânsito, tema do Maio Amarelo

A 8ª edição da campanha Maio Amarelo tem como tema Nós Somos o Trânsito. A intenção é manter o diálogo entre o poder público e a sociedade e incentivar a paz nas ruas.

No Brasil, as ações são organizadas pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e pela Polícia Rodoviária Federal. Em Brasília, assumem a iniciativa o DER-DF, o Detran-DF, a PMDF e o Corpo de Bombeiros Militar.

Em apoio à campanha, monumentos públicos da capital federal, como o Palácio do Buriti, a Esplanada dos Ministérios, a Catedral de Brasília e o Congresso Nacional, adotaram iluminação na cor amarela.

O Brasil aderiu neste ano à agenda proposta pela Organização das Nações Unidas (ONU) em maio de 2011. De acordo com a ONU, o País é o quinto mais violento no trânsito, com 234 mortes a cada 100 mil veículos, atrás da Índia, da China, dos Estados Unidos e da Rússia.

Ainda segundo a organização, quando o assunto é acidentes que envolvem motocicletas, o Brasil ocupa o segundo lugar com mais mortes — cerca de sete casos a cada 100 mil habitantes — e perde apenas para o Paraguai, que tem 7,5 mortes para cada 100 mil habitantes.

Fonte: Agência Brasília

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *