Eleições 2020 Politica

São Paulo derrota o bolsonarismo e terá segundo turno entre Covas e Boulos

Bruno Covas e Guilherme Boulos com sua vice, Luiza Erundina (Reprodução)

Em meio ao derretimento de Celso Russomanno, candidato de Bolsonaro, Boulos fez campanha histórica e, mesmo com apenas 17 segundos televisão, agregou votos da esquerda e levou sua candidatura ao segundo turno contra o atual prefeito

Por Ivan Longo

Com 99,67% das urnas apuradas, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a eleição em São Paulo (SP) terá segundo turno entre o atual prefeito, Bruno Covas (PSDB), e Guilherme Boulos (PSOL).

Covas somou 23,85% (1.747.938) dos votos válidos, enquanto Boulos obteve 20,24% dos votos (1.0077.168).

O resultado mostra o candidato do PSOL com mais musculatura do que foi observado nas pesquisas de intenção de voto. Em seu melhor índice, no Datafolha, o psolista somava 17%.

Com apenas 17 segundos de televisão, Boulos apostou em campanha na rua e ações inusitadas nas redes sociais. Ele conseguiu reunir boa parte dos votos da esquerda que tradicionalmente, na capital paulista, iriam para o PT. Sua vice é Luiza Erundina, que já governou a cidade entre 1989 e 1992.

“Não tinha apoio de máquinas, de empresas, mesmo assim tivemos nesse primeiro turno um resultado que surpreendeu muita gente. Imagina no segundo turno, se confirmado, com tempo igual na TV”, disse Boulos em discurso ao final da apuração.

O candidato de Jair Bolsonaro em São Paulo, Celso Russomanno (Republicanos), por sua vez, derreteu, como já havia acontecido nas eleições de 2012 e 2016. Ele chegou a liderar pesquisas de intenção de voto, mas terminou o pleito com 10,5% dos votos válidos, em quarto lugar.

Já Márcio França (PSB), que disputava uma vaga no segundo turno com Russomanno e Boulos contra Covas, ficou em terceiro lugar, com 13,65% dos votos.

Arthur do Val (Patriota) conquistou 9,78% dos votos, superando Jilmar Tatto (PT), que terminou com 8,65%. Tatto, inclusive, já anunciou que apoiará Boulos no segundo turno.

Ao todo, a capital paulista teve 5,87% de votos em branco, 10,11% de votos nulos e 29,29% de abstenção.