Internacional Politica

Na ONU, Trump mente como Bolsonaro, diz que Covid 19 é “vírus chinês” e pede punição à China

Trump em seu discurso na Assembleia Geral da ONU (Foto: Reprodução)

Presidente dos EUA, Donald Trump, usou o seu discurso na abertura da 75ª Assembleia Geral da ONU para responsabilizar a China pela pandemia do novo coronavírus. “A ONU precisa responsabilizar a China pelas suas ações”, disparou

247  

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou o seu discurso na abertura da 75ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) para atacar a China. Trump voltou a chamar o  Sars-Cov-2 de “vírus chinês”, e acusou o país asiático de disseminar o novo coronavírus com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS). Ele também pediu que a ONU responsabilize a China pela pandemia.

“O governo chinês e a Organização Mundial da Saúde, que é controlada pela China, falsamente declararam que não havia evidência de transmissão entre humanos. Depois, afirmaram falsamente que as pessoas sem sintomas não poderiam espalhar a doença. A ONU precisa responsabilizar a China pelas suas ações”, disse Trump.

Ainda segundo ele, ao contrário da China,  os Estados Unidos possuem “um bom histórico ambiental”. “Os que atacam o bom histórico ambiental dos EUA e ignoram a poluição na China não estão interessados no ambiente. Eles só querem punir os EUA. E eu não vou tolerar isso”, afirmou.

Trump também afirmou que a ONU deve se concentrar em abordar questões globais como terrorismo, limpeza étnica de grupos religiosos minoritários, tráfico de drogas e outros problemas. “Se as Nações Unidas devem ser uma organização eficaz, ela deve se concentrar nos problemas reais do mundo”, disse.

Trump, que disputa a reeleição, também destinou uma parte de seu discurso para o eleitorado norte-americano ao dizer que o seu governo atuou na garantia de liberdades religiosas, oportunidades para mulheres e na descriminalização da homossexualidade. Em um aceno ao eleitorado conservador, ele também criticou o aborto ao dizer que sua gestão também atuou na proteção de “crianças não-nascidas”. As eleições nos Estados Unidos serão realizadas em novembro e Trump aparece atrás do democrata Joe Biden nas pesquisas eleitorais.