Oficina de pintura muda rotina em unidade de acolhimento para idosos

Unidade de Acolhimento para Idosos (Unai), da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, ganhou um colorido diferente às sextas-feiras. O ateliê de pintura, proposto pela aluna de artes visuais da Universidade de Brasília (UnB) Camilla Dantas, tem mudado a rotina dentro do abrigo.

O projeto foi iniciado em abril e segue até 29 de junho na unidade de Taguatinga. As oficinas têm como objetivo promover a troca de conhecimento entre os idosos, além de propor atividades de socialização. As aulas ministradas voluntariamente por Camilla contam com apoio da equipe psicossocial da Unai.

De acordo com a coordenadora da unidade, Daiane Guedes, o ateliê de pintura tem influência positiva na vida dos residentes. “A proposta trouxe momentos de distração e de diversão para eles”, explica.

Para José Ferreira, de 63 anos, o curso foi a melhor coisa que lhe aconteceu nos últimos anos. “Achei a ideia inteligente. Sempre gostei de ler sobre a história da arte e agora posso ter um contato mais próximo”, comenta. Ele está no abrigo desde dezembro de 2017.

Apaixonado por artes plásticas, Ferreira conta que esta é a primeira oficina de pintura que faz na vida. “Estou animado, vou aprender muita coisa”, afirmou logo na segunda aula.

Daiane Guedes diz que a maioria dos residentes vem de alguma situação difícil ou está ali de passagem durante tratamento de saúde. Para ela, ter uma opção de distração é algo benéfico.

Idealizadora do projeto, Camilla Dantas espera que as aulas contribuam de fato na vida dos idosos acolhidos no abrigo temporário. “A expectativa é que eles se desenvolvam de alguma forma, seja social ou artística. Utilizamos a arte como um instrumento para que eles aprendam quaisquer outras coisas”, pontua.

Camilla explica que a proposta da oficina surgiu com base numa ideia para o trabalho de conclusão de curso. “Quando pensamos em arte-educação, a maioria das iniciativas está voltada para crianças. Eu queria trabalhar com idosos, um público que é deixado um pouco de lado”, conta.

ateliê de pintura foi planejado por dois anos e apresentado na Semana Universitária da UnB de 2017 para que fosse avaliado pelo público e posteriormente aperfeiçoado.

A atividade integrou um painel do minicurso do Laboratório de Práticas Dialógicas em Educação, em 24 e 25 de outubro de 2017. Todos os materiais utilizados foram doados por alunos e simpatizantes do ateliê.

Voluntariado nas unidades de acolhimento do DF

De acordo com a coordenadora da Unai, Daiane Guedes, os trabalhos voluntários nos abrigos sempre são bem-vindos. Os interessados em promover alguma atividade nos espaços de acolhimento podem entrar em contato com a unidade ou se cadastrar no Portal do Voluntariado.

O governo de Brasília mantém quatro unidades de acolhimento gratuito para a população em situação de risco ou com vínculos familiares rompidos ou fragilizados:

O tempo de permanência depende da necessidade de cada caso, mas varia de três a seis meses.

Para acessar os serviços de acolhimento institucional é necessário entrar em contato com a Central de Vagas de Acolhimento, pelo telefone (61) 3223-2656.

É preciso também ir até uma das unidades do Centro de Referência de Assistência Social (Cras), do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas)ou do Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop) mais próximo.

Fonte: Agência Brasília

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *