Meio Ambiente

Equipe do Zoológico de Brasília auxilia em resgate de queixada

Quem passou pelo Parque Nacional na última quinta-feira (13) pôde ver uma cena inusitada. Biólogos, veterinários e cuidadores do Zoológico de Brasília se deslocaram até o parque Água Mineral para auxiliar no resgate de um queixada (Tayassu pecari) que estava com arame liso enroscado em seu pescoço. A equipe desconfia de que o individuo tenha sido vítima de uma armadilha de caça da espécie.

O animal faz parte de um grupo de cerca de 35 indivíduos de vida livre que frequenta diariamente o Parque Nacional. Apesar de o queixada ser um animal extremamente social, ele pode se tornar agressivo caso se sinta ameaçado. Por isso, foi necessário isolar o local e dividir o grupo dos queixadas em subgrupos menores. Assim, os técnicos puderam se aproximar do animal em segurança.

Para fazer o resgate, não foi preciso sedar o indivíduo, pois ele foi capturado com um puçá (equipamento de cabo rígido e com uma rede acoplada em uma das extremidades). O arame foi retirado rapidamente e, como não havia ferimentos, ele foi solto logo em seguida.

É comum encontrar esses animais no Parque Nacional de Brasília, pois eles vivem em uma reserva ecológica próxima e vão até a Água Mineral em busca de alimento. Ao avistar o grupo, a recomendação é que o visitante mantenha distância, mude a direção ou espere eles passarem, já que eles só atacam caso se sintam ameaçados.

 

Equipe do Zoológico desconfia de que o individuo tenha sido vítima de armadilha de caça. Foto: Claudia Campos / Zoológico de Brasília

 

*Com informações do Zoológico de Brasília

 

Faça um comentário

Clique aqui para fazer um comentário