Horário de verão chega ao fim neste domingo

Neste domingo termina o horário brasileiro de verão 2017/18, e os brasilienses terão de atrasar o relógio em uma hora a partir da 0h. O objetivo da medida, que acabará após 126 dias, é economizar energia, mas não deixa de causar polêmica. Parte da população reclama, principalmente, da dificuldade de adaptação.

De acordo com a Companhia Energética de Brasília (CEB), no DF foi registrada uma redução de 1,7% da demanda diária por energia no horário de ponta, que vai das 18h às 21h. O valor, de 18 MW, equivale a aproximadamente um alívio diário no sistema de distribuição de energia da região correspondente à carga da cidade de São Sebastião. No último horário de verão (2016/17), a redução de demanda no horário de pico foi de 25 MW, ou seja, 2% de carga total do DF.

A saladeira Neusiva Corrêa de Souza, 47, não consegue enxergar essa economia na sua casa. “Na minha conta de luz não muda nada. Não aumenta nem diminui”, comenta. Ela também diz que o horário pode ser perigoso para as mulheres. “Para quem acorda cedo igual a mim é difícil. A gente sai de casa à noite e fica sujeita a riscos. A pessoa chega mais cedo do serviço, mas também tem que sair mais cedo”, opina.

Já o jornalista Francisco Lima, 30, prefere o horário de verão. “A gente trabalha bem quando o dia é mais longo. Chego em casa com mais disposição”, diz. Para ele o horário de verão até ajuda na economia, mas não chega a ser algo significativo. “O que mais sofre mesmo é o organismo, para se adaptar. Quando estamos acostumando com o horário ele muda”, completa.

O porteiro Otacílio Gomes, 65 , também tem problemas com a adaptação. “Sofro com as mudanças. Para o nosso corpo faz uma diferença, né? Mas, para mim, tanto faz um horário ou o outro, o que dificulta é a troca dos horários mesmo”, destaca. A dona de casa Maria do Carmo, 55, partilha do mesmo pensamento. “Não muda nada da minha rotina, mas me adaptar que é ruim. Eu já tinha acostumado com esse horário e agora vai ter que mudar de novo”, finaliza.

Período será menor

Em dezembro passado, o presidente Michel Temer assinou um decreto que reduziu, em duas semanas, o período do horário de verão 2018/2019, que começa a valer no primeiro domingo de novembro, dia 4. A data do término não foi modificada: continua no terceiro domingo de fevereiro.

A redução atendeu ao pedido do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, que fez a solicitação por causas das eleições deste ano. A medida facilitará a apuração dos votos, já que nem todas as regiões adotam o horário de verão.

Onde vale

Além do DF, dez estados vão alterar os ponteiros. São eles: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Espírito Santo. As regiões do Norte e do Nordeste não são incluídas no horário especial.

Fonte: JBr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *