Fiscais apreenderam 105 toneladas de alimentos clandestinos desde 2015 no DF

Produtos de origem animal, como carnes e lácteos, e vegetais minimamente processados, como hortaliças já picadas ou raízes descascadas, passam por fiscalização diária no Distrito Federal.

Sob a responsabilidade de equipes da Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, a vistoria tem como objetivo evitar que alimentos clandestinos ou impróprios para o consumo humano cheguem ao comércio e, assim, garantir a segurança do consumidor.

Desde 2015, a Diretoria de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal e Animal da pasta apreendeu 105,19 toneladas de mercadoria sem documentação ou mal armazenada – 93,26 de origem animal e 11,96, vegetal. Até outubro de 2017, o saldo de apreensões chegou a 21,19 toneladas de carnes e itens lácteos irregulares.

Inspeção ocorre nas indústrias e nas rodovias do DF

Há dois tipos de inspeção: aquelas em que os agentes vão até o local onde ocorre a manipulação e aquelas em que a equipe de trânsito verifica se o transporte é feito de forma correta, com a refrigeração e o armazenamento necessários de acordo com o produto.

“A logística das buscas ocorre primeiro nas vias e rodovias de acesso ao DF. Depois que fazemos a varredura nessas áreas, começamos a ronda nas áreas próximas de feiras e comércios”, explica o gerente de Fiscalização do Trânsito de Produtos Agropecuários, da Secretaria da Agricultura, Fábio Azevedo, à frente da equipe que aborda veículos de carga.

De acordo com o servidor, os alimentos mais comumente apreendidos como irregulares são produtos lácteos e carnes.

Em alguns abatedouros, há fiscais permanentes para o controle de inspeção. Já nas indústrias menores, o controle ocorre de uma a duas vezes por mês para procurar irregularidades no abastecimento e nas condições sanitárias. Alimentos in natura, como frutas e verduras, não passam por esse tipo de fiscalização.

Apreensão de alimentos contaminadas no DFA equipe de trânsito também é quem verifica as denúncias, que podem ser feitas pelo número 162, da Ouvidoria da Secretaria da Agricultura.

Nos últimos três anos, foram inspecionados cerca de 15 mil veículos e feitas 3,4 mil visitas a locais em que ocorre a manipulação de alimentos para comércio.

O balanço revela ainda um total de 9,7 mil análises laboratoriais e 280 autos de infração aplicados.

Riscos oferecidos por alimentos clandestinos

Alimentos de origem vegetal manipulados de forma inadequada podem vir contaminados de salmonela e coliformes fecais, além de provocar infecções, diarreia, dores e febre.

No caso do consumo de produtos de origem animal, doenças como a brucelose e a tuberculose podem ser transmitidas aos humanos. O risco se deve à falta de conhecimento sobre a procedência do animal.

“Não temos como saber se o bicho estava doente, se o abate foi feito em um local com estrutura e higiene ou se os lácteos, como leite e iogurte, não estão adulterados e contaminados”, reforça Azevedo.

No caso dos queijos, por exemplo, um problema recorrente, segundo o servidor, é que os produtos são feitos com leite não pasteurizado, o que impede a quebra da cadeia de contaminação.

A punição para quem transporta ou manipula produtos alimentícios sem registro varia de acordo com a quantidade e com o tipo de risco que oferece ao consumidor.

No caso de detecção de irregularidade, o material é apreendido, e a pessoa recebe advertência e multa, que pode variar de R$ 2,4 mil a R$ 120 mil a depender de reincidência.

Quando o estoque é apreendido por ser transportado ou comercializado de forma errada, é analisado no laboratório da diretoria de inspeção, na Asa Norte. “Se não tiver origem, não analisamos porque não há como saber a procedência, então é incinerado”, conta Azevedo.

Fonte: Agência Brasília

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *