Estudantes pedem a volta de Dilma à presidência.

Na noite dessa segunda feira (30), no lançamento do livro “A Resistência ao Golpe 2016”, a presidenta eleita, Dilma Rousseff, esteve reunida com alunos da UnB (Universidade de Brasília). Apesar do reduzido espaço do Memorial Darcy Ribeiro, local dedicado à fala da presidenta, uma multidão se aglomerou do lado de fora, onde puderam assistir a fala de Dilma por um telão. O público presente pedia a imediata saída de Temer e a volta da presidenta ao seu cargo.

A professora Beatriz Vargas lembrou das manifestantes presentes na Marcha das Flores e ressaltou a importância do governo da presidenta para as conquista de direitos de minorias. Em seguida, José Eduardo Cardoso, ex-ministro da justiça e atual advogado de Rousseff, ressaltou o caráter golpista dos atuais eventos que vêm abalando a democracia brasileira e a vil tentativa de impedir a tomada de poder orquestrada por Eduardo Cunha e Michel Temer de receber a designação pelo seu real significado: Golpe.

Dilma ressaltou que em um momento de crise é que se evidenciam as prioridades de um governo. Criticou duramente as mudanças no programa Minha Casa Minha Vida, onde as famílias da faixa 1 (com renda de até 1.800 reais) deixarão de ser subsidiadas pela União e falou da falta de compromisso com a redução de desigualdades no país.

A presidenta eleita criticou a redução da participação da Petrobras nos ganhos do pré-sal, que ressaltou ser símbolo da soberania nacional. Criticou o ministro interino José Serra que recomenda à embaixadas que trabalhem para tirar da impressa estrangeira a imagem de um golpe ocorrido no Brasil. Para ela, não é a divulgação no exterior que têm afirmado o golpe e sim as novas evidencias e áudios do próprio governo interino.

Em termos de política externa, demonstrou preocupação com uma nova visão de (des)governo, onde sintetizou na frase de Chico Buarque: Eles falam grosso com a Bolívia e afinam com os Estados Unidos.

O evento contou também com a participação da atriz Camila Márdila que interpretou a personagem Jéssica no premiado filme “Que Horas Ela Volta ?” de Anna muylaert. Dilma aproveitou a oportunidade e ressaltou que “Jéssica” é o símbolo de um novo Brasil que a política de inclusão social buscou gerar, um país onde os mais pobres tenham autoestima, não se intimidem diante das diferenças econômicas e demais desigualdades sociais e encontrem um país capaz de lhes garantir igualdade de oportunidade.

O sentimento gerado na participação de Dilma em evento na UnB fica muito bem representado pela pergunta “Que Horas Ela Volta ?”.

dilma_que_horas_ela_volta

Compartilhe em suas redes sociaisShare on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *