Jogos Escolares da Juventude: Brasília traz 38 medalhas

Brasília ficou com 38 medalhas na etapa nacional dos Jogos Escolares da Juventude, em Natal (RN), para competições de alunos de 12 a 17 anos, de 12 a 25 de novembro. Foram 13 de ouro, 12 de prata e 13 de bronze.

Com esse resultado, o Distrito Federal figura em terceiro lugar no ranking do País, atrás apenas de São Paulo e do Paraná, segundo levantamento feito pelas próprias delegações, com base nos boletins oficiais.

Para o secretário-adjunto de Educação do Distrito Federal, Clovis Lucio da Fonseca Sabino, a participação dos brasilienses foi vitoriosa.

“A cada ano, fica muito evidente a evolução dos nossos atletas. O nível de rendimento comprova que o treinamento oferecido nos centros de iniciação desportiva não deixam nada a desejar ao das escolas privadas”, observou.

O atletismo e a luta olímpica foram as modalidades que trouxeram mais medalhas para a rede pública.  

Do Recanto das Emas, o Centro de Ensino Fundamental (CEF) 602 conquistou o ouro nos 400 metros, e o Centro Educacional (CEd) 104, duas medalhas de prata: uma nos 100 metros e outra nos 200 metros.

O CEd 5 Taguatinga levou o terceiro lugar no salto triplo, e o CEF Zilda Arns, no Itapoã, o bronze dos 400 metros.

Quadro de medalhas do DF nos Jogos Escolares da Juventude 2018
Natação 14
Judô 9
Atletismo 6
Ginástica rítmica 4
Luta olímpica 3
Xadrez 2
TOTAL 38

Na luta olímpica, que contou com a participação de seis atletas — quatro deles da rede pública de ensino —, foram duas medalhas de prata nas competições individuais e uma de bronze na luta por equipe.

As disputas individuais foram vencidas por duas alunas de 12 a 14 anos: uma do CEF 2 do Paranoá, na categoria leve, e outra do CEF Cerâmica São Paulo, em São Sebastião, na categoria pesado.

Já o terceiro lugar por equipe, de 15 a 17 anos, veio de dois estudantes do CEF 1 do Paranoá (categoria leve), um do CEF Zilda Arns, no Itapoã (categoria pesado), uma do CEM 1 do Paranoá (categoria médio) e dois do SEB Dínatos (categorias pesado e médio)  este, da rede privada de ensino.

Modalidade Medalha Escola (pública) Estudante
Atletismo 400 metros Ouro CEF 602 – Recanto das Emas Ryan de Sousa Lima
Atletismo 100 metros Prata CEd 104 – Recanto das Emas Sabrina da Silva Costa
Atletismo 200 metros Prata CEd 104 – Recanto das Emas Sabrina da Silva Costa
Atletismo 200 metros Prata Colégio Militar Leonardo Gama de Paula Cordeiro
Salto triplo Bronze CEd 5 – Taguatinga Ana Luiza Dantas do Nascimento
Atletismo 400 metros Bronze CEF Zilda Arns – Itapoã Marina Severina Pereira de Siqueira
Luta olímpica individual (categoria leve) Prata CEF 2 – Paranoá Brenda Lorrany Dias dos Santos
Luta olímpica individual (categoria pesado) Prata CEF Cerâmica São Paulo – São Sebastião Thaís Tertuliano
Luta olímpica por equipe (categoria leve) Bronze CEF 1 – Paranoá Uallace Barbosa dos Santos
Luta olímpica por equipe (categoria leve) Bronze CEF 1 – Paranoá Geovânia Marques Pereira
Luta olímpica por equipe (categoria pesado) Bronze CEF Zilda Arns – Itapoã Flávio Fecundes de Sousa
Luta olímpica por equipe (categoria médio) Bronze CEM 1 – Paranoá Isabela Alves Pereira

Para o técnico da luta olímpica do Distrito Federal, José Neto, essa foi uma conquista importante por ter sido a última chance na modalidade. Segundo Neto, a partir da próxima edição, ela será substituída pela luta greco-romana.

“O pódio veio com muita dificuldade, pois estávamos em uma chave composta pelos melhores do Brasil. Poderíamos até ter disputado a final, mas infelizmente uma das atletas teve uma contusão”, conta o técnico.

De 9 medalhas do judô, 2 ficaram com escolas da rede pública

Das nove medalhas do judô, duas vieram da rede pública: CEF 5 de Sobradinho (prata na categoria superligeiro) e CEF 405 Sul (bronze na categoria pesado).

Embora sem medalhas, as meninas do vôlei de praia, de 15 a 17 anos, retornaram para casa com o quarto lugar.

Já a equipe masculina de vôlei do Distrito Federal — formada por jovens talentos entre 15 e 17 anos do CEd 2 do Cruzeiro — voltou para a capital federal com menção honrosa.

Mesmo desclassificada e impedida de jogar uma das partidas, a delegação permaneceu na competição até o fim e acabou em sexto lugar de 12.

Fonte: Agência Brasília

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *