Cidadania Educação

Nova escola bilíngue atenderá até mil estudantes surdos

A Secretaria de Educação do Distrito Federal, por meio da Subsecretaria de Educação Inclusiva e Integral, vai revitalizar uma área de 72 mil m² no Setor de Grandes Áreas Sul 912. No local, irá funcionar a nova Escola Bilíngue Libras e Português Escrito do Plano Piloto, criada por meio da Portaria nº 120 de 5 de abril de 2019 publicada no Diário Oficial do DF em 8 de abril.

A previsão é de que a instituição, quando estiver reformada e ampliada, tenha capacidade para atender até mil estudantes surdos, desde a educação linguística precoce (de 0 a 3 anos) até o fim do ensino médio, além dos três segmentos da educação de jovens e adultos (EJA).

No espaço da 912 Sul há quatro prédios térreos, duas piscinas – uma infantil e outra olímpica – e campos de futebol, dentre outros equipamentos esportivos. A primeira parte dos reparos tem previsão de começar em agosto e deve ficar pronta já no início do próximo ano letivo para iniciar o atendimento.

O projeto também prevê a construção de Centros de Iniciação Desportiva na área. O objetivo é oferecer atividades esportivas de cunho paralímpico – como basquete de rodas, futsal, vôlei, natação e futebol de cinco –, a todos os alunos com deficiência da rede pública de ensino do DF: cerca de 14,5 mil crianças, jovens e adultos matriculados.

A estrutura será o maior centro de referência de inclusão do GDF. A subsecretária da Subin, Vera Lúcia Barros, explica que o projeto busca promover o protagonismo surdo e, ainda, dar descobrir talentos.

“Essa proposta da nova escola bilíngue é em função da Lei Distrital nº 5.016. A legislação coloca de maneira clara a inserção dos surdos na sociedade e a gente vê o esporte como um instrumento transformador. Então, entendemos que seria importante trazer todos os nossos estudantes com deficiências para interagir entre si. Acredito que vamos descobrir grandes prodígios”, ressalta Vera.

Hoje, a SEEDF conta com uma Escola Bilíngue Libras e Português Escrito de Taguatinga (EBT). A unidade foi instituída em 2013 e recebe diariamente cerca de 300 estudantes surdos.

Com informações da Secretaria de Educação do DF