Cidadania Educação

Meninas e ciência: organizações suecas e GDF estimulam aprendizado

A Organização das Nações Unidas (ONU), as mulheres representam apenas 35% de estudantes matriculadas na Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática (sigla STEM, em inglês) nas universidades ao redor do mundo. Dados do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) revelam ainda que, no Brasil, a desigualdade de gênero cresce nos níveis mais elevados das carreiras científicas.

Nesta semana, 30 alunas de escolas públicas do Distrito Federal participaram de uma oficina de robótica e aprenderam que esse espaço da ciência também pode ser ocupado por elas. A atividade “Workshop Tekla” aconteceu no Planetário de Brasília, dia 17, por iniciativa da embaixada da Suécia e do Instituto Sueco, com apoio da Secretaria de Relações Internacionais do GDF e do projeto Meninas.Comp, no âmbito das Semanas de Inovação Suécia-Brasil.

Com canudos, fitas adesivas, microcontroladores e aparelhos eletrônicos nas mãos, as estudantes tiveram a experiência de construir seus robôs. A liberdade criativa contou para que tivessem familiaridade com a proposta. “Essa foi a primeira vez que participei de uma oficina e surgiram ideias extraordinárias com o trabalho em grupo”, conta Maria Eduarda, 15.

Além da parte técnica, a oficina propiciou encontros com jovens cientistas que fazem a diferença na sociedade, como Juliana Estradioto, 19, ganhadora do Prêmio Jovem Cientista 2018. “Eu comecei a fazer ciência aos 15 anos, porque queria ajudar minha realidade local e resolver um problema dos agricultores familiares”, conta ela.

“Eu pegava o lixo do processamento de frutas e os transformava em materiais biodegradáveis com a ajuda da minha orientadora”, relata. “Não só a oportunidade de ajudar a sociedade por meio da ciência é o que me motiva; é estar também em iniciativas que mostram para outras meninas que elas podem fazer o que quiserem”.

Juliana é fundadora do Meninas Cientistas, iniciativa que divulga histórias de garotas na ciência e é a primeira brasileira a conquistar o primeiro lugar na categoria de Ciências dos Materiais da Intel ISEF, maior feira de ciências pré-universitária do mundo. Em seu último projeto, criou um material biodegradável alternativo ao plástico e que agora está sendo investigado para uso medicinal.

Meninas.comp
O projeto Meninas na Computação (Meninas.comp) é outra iniciativa que chamou atenção, por ter viabilizado a participação das alunas no evento. Nele, professoras do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília (UnB) fazem a ponte entre as escolas parceiras e os projetos voltados para a inclusão de meninas de escolas públicas do Distrito Federal em cursos de público majoritariamente masculino.

“A falta de mulheres cientistas tem impactos em pesquisas na economia e em outros setores. Então, precisamos estimular e promover esse tema que é tão importante para nós”, diz Glaucimara Silva, oficial da cultura da Embaixada da Suécia.

Renata Zuquim, secretária-adjunta de Relações Internacionais do GDF, acredita que iniciativas como essa são a materialização da cooperação internacional com a Suécia. “As Semanas de Inovação Suécia-Brasil criam oportunidades de conhecimento sobre ciência, tecnologia e inovação para pessoas afastadas ou com acesso limitado a essas áreas”, lembra.  “Quando falamos da questão da sub-representação, é ainda mais importante trazer especialistas brasileiras e suecas para falar de seu trabalho e contar histórias de sucesso”, explica.

Diálogo Tekla

Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

No dia seguinte, 18, ocorreu o Diálogo Tekla, que discutiu, em dois painéis, maneiras de capacitar meninas e mulheres, e sobre como ampliar e fortalecer seus papéis e oportunidades. Algumas das perguntas do dia foram: Quem molda o futuro? Quais e de quem são as responsabilidades no fechamento da lacuna de gênero? Como universidades e empresas de tecnologia podem atrair mais mulheres? E como inspiramos mais jovens a explorar a tecnologia?

Entre as especialistas participantes, Heidi Harman, fundadora da mais antiga rede de tecnologia feminina na Suécia, o GeekGirl Meetup, uma rede para mulheres em STEM, código, design e startups, que agora possui braços em 17 países.

“É muito importante que toda nação tenha uma ampla captação de ideias não só vindas de homens e mulheres, mas de todas as pessoas do país”, ela diz. “Assim você terá a verdadeira inovação e uma economia melhor”.

Também participaram do evento a secretária da Mulher do GDF, Ericka Filippelli; a embaixadora da Suécia, Johanna Skoog; o vice-ministro da Inovação da Suécia, Emil Högberg; e a chefe do Instituto de Ciências Exatas da UnB, Maria Emilia Machado Telles Walter.

Com informações da Secretaria de Relações Internacionais

About the author

Ataide Santos

Add Comment

Click here to post a comment