Economia Politica

Queimado por Bolsonaro, Guedes agora quer escalonar Renda Brasil com valor a partir de 220 reais

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Depois de ter sido criticado publicamente por Jair Bolsonaro e de ver seu projeto de acabar o abono salarial detonado, o ministro da Economia, Paulo Guedes, elabora novo plano para o programa Renda Brasil, propondo escalonar valor a partir de R$ 220

 O ministro da Economia, Paulo Guedes, que se aferra ao cargo apesar da fritura por parte de Jair Bolsonaro, que nesta quarta-feira desqualificou seu plano de acabar o abono salarial, disse que  está elaborando nova proposta para o programa  Renda Brasil.

O modelo que está em preparação pela equipe do Ministério da Economia, prevê um novo benefício começaria a ser pago no ano que vem, podendo variar entre R$ 220 e R$ 230. O valor é inferior ao de R$ 300 anunciado por Bolsonaro.

O governo está dividido sobre os programas que seriam extintos para custear o Renda Brasil, o que dependerá de projetos futuros a serem aprovados em conjunto com o Congresso Nacional, informa reportagem dos jornalistas Bernardo Caram, Daniel Carvalho e Fábio Pupo na Folha de S.Paulo.

A crítica pública de Bolsonaro a Guedes foi vista no Planalto como uma tentativa de transferir ao ministro o desgaste de uma inevitável redução do auxílio aos mais pobres.

Insatisfeito, Guedes disse nos bastidores que Bolsonaro quer construir uma imagem de “bonzinho”, atribuindo a ele o papel de “vilão”, pelas maldades que a política de arrocho fiscal impõe

A quarta-feira foi cheia de especulações sobre a saída de Guedes do ministério, que ainda não se consumou. O Ministério da Economia publicou um comunicado para desmentir a demissão do ministro. O vice-presidente, general Hamilton Mourão, que se referiu à “resiliência necessária” de Guedes. Segundo Mourão, o titular da Economia “está firme”. ​

Especula-se o nome do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto como eventual substituto de Guedes.