Economia

Nissan do Brasil também suspende produção por agravamento da pandemia

Nissan: montadora em Resende, no Rio de Janeiro, fica parada entre os dias 26 de março e 9 de abril. — Foto: Divulgação
Por G1

Nissan do Brasil é a terceira montadora a anunciar a suspensão da produção de sua fábrica por conta do agravamento da pandemia do coronavírus. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (25).

A medida afeta a planta da montadora em Resende, no Rio de Janeiro. A produção será interrompida entre os dias 26 de março e 9 de abril. As atividades seriam retomadas na segunda-feira seguinte, dia 12.

“Buscando garantir a segurança de seus funcionários como parte do esforço de reduzir o impacto da pandemia, adaptar a empresa ao cenário atual dos desafios enfrentados pelo setor automotivo e garantir a continuidade do negócio, a Nissan decidiu adotar férias coletivas em seu Complexo Industrial de Resende de 26 de março a 9 de abril. Com isso, a produção será retomada no dia 12 de abril”, diz a empresa.

O Brasil chegou ontem à marca de 300 mil mortes pela Covid-19. Segundo o consórcio de veículos de imprensa, o país registrou 301.087 mortes e 12.226.530 casos confirmados da doença. A média móvel dos últimos sete dias está em alta de 34% em relação a 14 dias atrás.

Volkswagen e Mercedes-Benz

Volkswagen anunciou no dia 19 de março que suspenderia a produção de veículos no Brasil entre os dias 24 de março e 4 de abril.

São quatro fábricas afetadas: São Bernardo do Campo (SP), Taubaté (SP), São Carlos (SP) e São José dos Pinhais (PR). A montadora alemã disse que seriam mantidas apenas atividades essenciais nas fábricas e os funcionários das áreas administrativas seguiriam em trabalho remoto.

Mercedes-Benz vai suspender a produção de duas fábricas, em São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG). A parada vai do dia 26 de março até 5 de abril.

Dali em diante, dará férias coletivas para grupos alternados de funcionários, para reduzir a circulação dentro das plantas fabris. Os funcionários da área administrativa da Mercedes-Benz não serão afetados, pois estão em regime de trabalho remoto. De acordo com a empresa, as concessionárias e oficinas permanecem em funcionamento normal, seguindo medidas preventivas contra a Covid-19.

As decisões da Volkswagen e Mercedes-Benz foram tomadas após negociações com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, que pressionava as empresas da região pela paralisação dos trabalhos para segurança dos trabalhadores.

À época do anúncio da Volkswagen, a Anfavea, associação das fabricantes, disse que acompanha “com muita atenção essa nova fase da pandemia” e que a decisão de paralisações espontâneas está a cargo de cada fabricante, em diálogo com os sindicatos.

Publicidade