Economia

Mais de mil lojas no DF fazem liquidação com descontos de 20% a 80%

Cerca de 1.200 lojas do Distrito Federal estão liquidando seus produtos até o início de fevereiro, segundo o Sindicato do Comércio Varejista (Sindivarejista-DF). As principais ofertas ocorrem nos segmentos de vestuário, calçados e artigos para casa. Para escoar a mercadoria e renovar o estoque, os comerciantes aplicam descontos de 20% até 80%.

A loja Parisier, na quadra 205/2016 Sul, está com ofertas de até 80% nas peças de roupa. “Estamos vendendo tudo para nos prepararmos para receber a nova coleção”, explica a dona, Ozélia Paiva. Um vestido de festa que custava R$ 1.400 foi vendido a R$ 300, lembra. As blusas saem de R$ 199 por R$ 59.

A gerente da loja Maria Preta, Tânia Miranda, 46 anos, disse que as peças serão vendidas a preço de custo no mês de janeiro, com desconto superior a 70%. “Neste mês, vamos ‘botar para quebrar’”, declarou. O objetivo é fazer com que a mercadoria esteja sempre girando, além de fidelizar clientes.

Segundo o vice-presidente do Sindivarejista-DF, Sebastião Abritta, a previsão é que 95% das compras sejam feitas com o uso do cartão de crédito, com parcelamento em até três vezes nas lojas de vestuário ou em até 12 vezes nas de eletrodomésticos. A expectativa gera otimismo no setor. “O crescimento esperado é de 4% em comparação a 2018”, afirmou.

A funcionária pública Maria Célia de Santos Souza, de 67 anos, disse que é cliente fiel da loja Amitaf. “Quando tem promoção, sempre chama mais atenção”, revelou. Mesmo assim, em 2019, ela pretende se controlar mais na hora de fazer as compras. “Estou me contendo”, admitiu. A loja anuncia até 50% de desconto nos produtos.

Diante de tantas ofertas, a analista de direito do Instituto de Defesa do Consumidor do Distrito Federal (Procon-DF) Vanessa Pereira alerta para o risco de endividamento. “O consumidor precisa estar atento para saber se a promoção vale a pena e é real”, aconselha. Para isso, uma dica é pesquisar os preços antes de ir às compras.

Mesmo em promoção, os estabelecimentos precisam respeitar a legislação. Os comerciantes não são obrigados a efetuar trocas por motivo de insatisfação, por exemplo, mas é preciso informar as condições no momento da venda. “Nesta época, a maioria das lojas coloca restrição à troca. Se o produto tiver algum vício ou defeito, a loja é obrigada a trocar, mesmo que ele tenha sido adquirido em promoção”, explica Vanessa.

Doutor em ciências contábeis pela Universidade de Brasília (UnB), o professor Bruno Fernandes recomenda uma reflexão sobre a necessidade de aquisição de produtos. “Tudo aquilo que eu compro pela metade do preço e não preciso é caro”, afirmou.

Para tanto, o especialista recomenda fazer uma lista de itens necessários. Em vez de comprar coisas dispensáveis, o conselho é investir para alcançar maior rendimento financeiro. “Você pode apostar em aplicações ou na própria capacitação profissional, já que o mercado de trabalho vai começar a aquecer”, sugere.

Cerca de 1.200 lojas do Distrito Federal estão liquidando seus produtos até o início de fevereiro, segundo o Sindicato do Comércio Varejista (Sindivarejista-DF). As principais ofertas ocorrem nos segmentos de vestuário, calçados e artigos para casa. Para escoar a mercadoria e renovar o estoque, os comerciantes aplicam descontos de 20% até 80%.

A loja Parisier, na quadra 205/2016 Sul, está com ofertas de até 80% nas peças de roupa. “Estamos vendendo tudo para nos prepararmos para receber a nova coleção”, explica a dona, Ozélia Paiva. Um vestido de festa que custava R$ 1.400 foi vendido a R$ 300, lembra. As blusas saem de R$ 199 por R$ 59.

A gerente da loja Maria Preta, Tânia Miranda, 46 anos, disse que as peças serão vendidas a preço de custo no mês de janeiro, com desconto superior a 70%. “Neste mês, vamos ‘botar para quebrar’”, declarou. O objetivo é fazer com que a mercadoria esteja sempre girando, além de fidelizar clientes.

VINÍCIUS SANTA ROSA / METRÓPOLES

Vinícius Santa Rosa / Metrópoles

A gerente Tânia Miranda garante peças a preço de custo

 

Segundo o vice-presidente do Sindivarejista-DF, Sebastião Abritta, a previsão é que 95% das compras sejam feitas com o uso do cartão de crédito, com parcelamento em até três vezes nas lojas de vestuário ou em até 12 vezes nas de eletrodomésticos. A expectativa gera otimismo no setor. “O crescimento esperado é de 4% em comparação a 2018”, afirmou.

A funcionária pública Maria Célia de Santos Souza, de 67 anos, disse que é cliente fiel da loja Amitaf. “Quando tem promoção, sempre chama mais atenção”, revelou. Mesmo assim, em 2019, ela pretende se controlar mais na hora de fazer as compras. “Estou me contendo”, admitiu. A loja anuncia até 50% de desconto nos produtos.

VINÍCIUS SANTA ROSA / METRÓPOLES

Vinícius Santa Rosa / Metrópoles

Servidora pública é cliente de loja e parou para olhar peças em promoção

 

Diante de tantas ofertas, a analista de direito do Instituto de Defesa do Consumidor do Distrito Federal (Procon-DF) Vanessa Pereira alerta para o risco de endividamento. “O consumidor precisa estar atento para saber se a promoção vale a pena e é real”, aconselha. Para isso, uma dica é pesquisar os preços antes de ir às compras.

Mesmo em promoção, os estabelecimentos precisam respeitar a legislação. Os comerciantes não são obrigados a efetuar trocas por motivo de insatisfação, por exemplo, mas é preciso informar as condições no momento da venda. “Nesta época, a maioria das lojas coloca restrição à troca. Se o produto tiver algum vício ou defeito, a loja é obrigada a trocar, mesmo que ele tenha sido adquirido em promoção”, explica Vanessa.

Doutor em ciências contábeis pela Universidade de Brasília (UnB), o professor Bruno Fernandes recomenda uma reflexão sobre a necessidade de aquisição de produtos. “Tudo aquilo que eu compro pela metade do preço e não preciso é caro”, afirmou.

Para tanto, o especialista recomenda fazer uma lista de itens necessários. Em vez de comprar coisas dispensáveis, o conselho é investir para alcançar maior rendimento financeiro. “Você pode apostar em aplicações ou na própria capacitação profissional, já que o mercado de trabalho vai começar a aquecer”, sugere.

Promoções nos shoppings 

JK Shopping
A maioria das lojas estão em liquidação com descontos que vão até 70%. Veja algumas:

Colcci Pop Up – tudo com 50% de desconto – até fevereiro de 2019
Open Multimarcas – peças com até 50% de desconto
Mr Foot – descontos de até 60%
Hering – descontos de até 60% 
Rommanel – descontos de até 70% 
Program Plus Size – peças com até 50% de desconto
Constance – descontos de até 50%

Park Shopping
A Liquidação do Lápis Vermelho vai do dia 10 ao dia 13 de janeiro, com descontos de até 70% nos produtos.

Brasília Shopping
Quase todas as lojas de vestuário, calçados e acessórios estão com produtos em promoção até acabarem os estoques. Os descontos vão até 60%.

Taguatinga Shopping
Cerca de 100 lojas estão em liquidação. O desconto praticado é de, no mínimo, 40% na maioria delas.

Entre as marcas estão: Calvin Klein, Camicado, Gregory, Aventure, Pandora, The beauty box, Carmen Steffens, Arezzo, Via Veneto, 2 Tempos, Program, Polyélle, Riachuelo, Triccot, Nyll, C&a, Nana verre, Tênis one, Triton, Mini Melissa clube, Hering kids, Lojas Renner, Sonho dos pés, Victor Hugo, Polo hockey, Hering, Sf jóias, Mr.foot e Damyller.

Fonte: Metropoles

Faça um comentário

Clique aqui para fazer um comentário