De onde vem o hábito humano de fofocar?

Melissa Hogenboom
BBC Earth
Desde pequenos, gostamos de partilhar informações sobre nossas vidas e as de outras pessoas
Não espalha, tá? E, se alguém perguntar, nunca diga que fui eu que contei. Mas fofocar é um comportamento peculiar e íntimo, e isso dificulta muito saber de onde surgiu esse hábito tão comum entre os humanos.
As histórias sobre as possíveis origens da fofoca são interessantes porque se entrelaçam com a nossa própria evolução: como aprendemos a cooperar e nos tornamos mais sociáveis.
Explicando de maneira simples, a fofoca é uma ferramenta social que usamos para discutir as idas e vindas cotidianas das pessoas que nos cercam.
É verdade que muitas vezes, trata-se de algo malicioso. Mas, para cientistas, é também uma coisa positiva, uma espécie de “argamassa” que une um grupo social.
Chimpanzés criam laços sociais com afagos, e a fofoca seria uma maneira de ampliar essa comunicação
Para a fofoca ter surgido, primeiramente precisamos de uma forma básica de linguagem. A origem desta também é difícil de pontuar, já que ela não deixa fósseis.
Nosso ancestral comum com os primatas seria uma espécie mais rudimentar, com um cérebro limitado, o que significa que eles se comunicavam com grunhidos e vocalizações semelhantes aos dos atuais chimpanzés.
Novas pesquisas, no entanto, revelam que a comunicação entre símios é mais sofisticada do que se pensava. Chimpanzés integrados a um grupo que já vivia no zoológico de Edimburgo, na Escócia, rapidamente aprenderam vocalizações com novos significados, como “maçã”, por exemplo.
Segundo Katie Slocombe, da Universidade de York, na Grã-Bretanha, essas vocalizações contêm informações importantes e nos dão pistas de como a linguagem humana evoluiu.
Além de desenvolver habilidades linguísticas, nossos ancestrais também tiveram que desenvolver um cérebro maior, necessário para imaginar, processar e articular as informações sobre nosso entorno.
O Homo erectus surgiu há 1,8 milhões de anos e tinha um cérebro bem maior que seus antepassados. Ele foi o primeiro humanoide a deixar a África e colonizar partes da Europa e da Ásia.
Seu cérebro passou a permitir a organização de sociedades cada vez mais complexas, o que conduziu à evolução de uma linguagem mais complexa.
Até hoje, tribos costumam usar as noites para contar e ouvir histórias
Mas há outros componentes nessa história, porque os primeiros humanos também precisavam de outras habilidades para sobreviver.
Para dominar a caça e a colheita, eles precisavam aprender a cooperar. E a maneira mais eficiente de fazer isso é compartilhando informações sobre o papel de cada indivíduo. Ou seja, fofocar sobre os outros.
Essa é a teoria defendida por Klaus Zuberbuehler, da Universidade de St. Andrews, na Grã-Bretanha. “Conforme nossos ancestrais foram deixando as florestas para as áreas de savana, mais abertas, aumentou a necessidade de trabalharem juntos para conseguirem caçar com sucesso. Isso forjou um alto grau de trabalho em equipe e compartilhamento de informações pessoais”, explica.
Essa vontade de partilhar informações pode ser notada nas crianças de hoje. Desde muito cedo, elas destacam fatos de suas vidas e de suas famílias e amigos.
“Foi esse aspecto social e de apoio, típico da natureza humana, que permitiu que a fofoca surgisse”, afirma Zuberbuehler.
Para ele, a fofoca não surgiu entre nossos ancestrais como uma extensão da necessidade de aliciar um ao outro. O cientista aponta para evidências de que o ser humano é capaz de “se unir intencionalmente”, dividindo informações para chegar a um objetivo comum, muitas vezes de longo prazo, enquanto símios tendem a cooperar apenas para atender a suas necessidades imediatas e individuais.
Cientistas acreditam que um dia poderão identificar o ‘DNA da fofoca’, ligado à linguagem
Mas como qualquer boa história, esta aqui também tem uma reviravolta surpreendente.
Isso porque outra teoria começou a ganhar força: a de que a fofoca evoluiu como consequência da capacidade do homem de controlar o fogo.
Entenda: durante o dia, os primeiros humanos passavam boa parte do tempo tentando se manter vivos, procurando comida e abrigo enquanto tentavam escapar de predadores. De noite, só lhes restava dormir.
Mas ao aprender a fazer fogo, talvez há cerca de 1 milhão de anos, o homem transformou as horas de escuridão. Mais aquecidos e seguros em torno de uma fogueira, os humanoides tiveram a oportunidade de se comunicar de maneira mais livre e sobre assuntos menos sérios.
Alguns estudos recentes sustentam essa ideia, mostrando que as conversas em tribos de hoje mudam do dia para a noite. Por exemplo, de dia, os Kalahari, que vivem no deserto de Botsuana, falam sobre assuntos práticos. De noite, conversam de maneira diferente e adoram contar e ouvir histórias.
E uma boa história é sempre base para uma boa fofoca.
O DNA da fofoca?
Mas determinar a origem exata da fofoca pode ser uma tarefa árdua, já que se trata de algo de natureza efêmera. Alguns indícios podem surgir conforme estudamos mais o DNA de nossos ancestrais.
Cientistas já sequenciaram o genoma do homem de Neandertal e o de seu parentes mais próximo, o hominídeo de Denisova. E reconhecem que os neandertais possuem uma versão de um gene essencial para a fala, que nós também temos.
Mas até conseguirmos provar algo concretamente, a origem da fofoca será algo como a própria fofoca: uma mistura de fatos e especulações.
Leia a versão original dessa matéria (em inglês) no site BBC Earth.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *