Mais de 9 mil pessoas conhecem a Vila Cidadã no primeiro dia

Depois de abrir a Vila Cidadã na manhã deste sábado (17), o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, voltou ao local nesta noite para participar da inauguração oficial do espaço gratuito ocupado pelo movimento brasileiro Green Nation.

“Já tive o privilégio de visitar todas essas atrações e tenho certeza que Brasília e o Brasil serão diferentes depois do 8º Fórum Mundial da Água”, disse o governador. “Estamos democratizando o fórum com esta Vila Cidadã, que só hoje foi visitada por 9.250 pessoas, metade crianças”, comemorou Rollemberg.

Na solenidade, o idealizador do Green Nation, o geógrafo e produtor de cinema Marcos Didonet ressaltou que somente pelo aprendizado a população se conscientiza. “Muitas vezes o discurso chega de forma punitiva. Aqui queremos fazer as pessoas sentirem a importância da água. Solidariedade é a palavra”, definiu.

A embaixadora do Green Nation no 8º Fórum Mundial da Água, a atriz Mariana Ximenes, fez coro ao raciocínio de Didonet e disse que, “em um momento tão violento quanto o que vivemos, é importante esse aprendizado, essa sensação e a presença de tantas crianças, o futuro da sociedade”.

Depois dos discursos, o maestro Guilhermo Santiago distribuiu garrafas para a plateia que, sob sua regência, tocou a Nona Sinfonia, de Ludwig van Beethoven, e Asa Branca, de Luiz Gonzaga.

“Quando começamos a assoprar sozinhos, somos apenas pessoas assoprando garrafas, mas, juntos e respeitando as diferenças, funciona. É o mesmo com a solidariedade no uso da água”, disse o mentor da Orquestra das Garrafas.

Em uma área de 2,7 mil metros quadrados, o Green Nation oferece uma instalação com nove ambientes e atividades interativas e sensoriais.

Com uma hora e 20 minutos de duração, o percurso inclui as estações Antártica, Submarino, Nave, Asa Delta, Florestas do Mar, Falta Água, Plante Água, PET Vira PET e Sabores e Sentidos.

Na instalação Submarino, por exemplo, o público, por meio de um ambiente multimídia, vai imergir ao fundo do mar para ter contato com a fauna e a flora marinha, que sofrem com poluição e pescas predatórias.

Fim do racionamento de água será decidido pela Adasa

Em entrevista após o fim da cerimônia, Rollemberg disse estar seguro quanto à possibilidade de dar fim ao racionamento de água em 2018, mas que essa decisão cabe à Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do DF (Adasa).

“As captações do Bananal e do Lago Paranoá trouxeram 1,4 mil litros de água por segundo a mais para o Distrito Federal. Com a de Corumbá, serão mais 5,6 mil (2,8 mil para o DF e 2,8 mil para Goiás). Com o Descoberto quase a 70% [66,9%] e o Santa Maria a quase 50% [46,3%], tenho segurança de que o racionamento termina neste ano.”

O governador ainda citou as principais obras de infraestrutura locais em curso como exemplo de investimentos que levam em conta o uso da água, seja em esgoto, seja em rede de drenagem. “São R$ 476 milhões em Vicente Pires, R$ 196 milhões no Sol Nascente e cerca de R$ 50 milhões na soma do [Condomínio] Porto Rico e do [Setor Habitacional] Buritizinho”, listou.

Fonte: Agência Brasília

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *