Brasília Capital Moto Week gera empregos e receita de R$ 55 mi para o DF

Os setores de hotelaria e de alimentação da capital federal ganharam fôlego extra essa semana e devem permanecer movimentados até o próximo domingo. O aumento das estadas e do número de vendas de pratos em restaurantes durante este período será de, no mínimo, 3% e ocorre justamente durante o recesso legislativo, quando o aquecimento da economia provocado pela política arrefece. O motivo de tanta agitação é o Brasília Capital Moto Week, maior encontro de motociclistas da América Latina e terceiro maior do mundo.

Estima-se que o evento movimente, somente em impostos para o Distrito Federal, cerca de 55 milhões, e deve gerar, aproximadamente, 7 mil empregos diretos e indiretos, além de interferir, com menor intensidade, em outros setores do comércio, que migrarão para o parque de Exposições da Granja do Torto, enquanto a festa embalada estiver rolando.

Os dados são corroborados pela Secretaria de Esporte, Turismo e Lazer do GDF. Para o secretário adjunto da pasta, Jaime Recena, “há um movimento grande na economia local de custos com deslocamento, com alimentação, e com eventuais hospedagens, somando uma receita que deve superar os R$ 50 milhões, além das oportunidades de empregos temporários”.

É um acontecimento de repercussão internacional. O terceiro maior do mundo com essas características e com tal temática. “Sendo assim, os olhos de várias nacionalidades estarão voltados para Brasília nos próximos dias. É uma oportunidade de promover a cidade. O segundo maior encontro de motociclistas acontece, simultaneamente, nos Estados Unidos”, comenta Jaime.

Ainda segundo Recena, o GDF executou R$ 747 mil em emendas parlamentares para fomentar o evento. “É importante destacar que a própria produção arca com os gastos do Capital Moto Week. Não temos nenhum custo direto, a não ser com divulgação, colocando o encontro na agenda de atividades importantes da capital. Aqui na Secretaria, temos nos esforçado na captação de eventos, que é algo rentável para o DF. em um encontro de médicos, de quatro dias, que reúna 8 mil pessoas, por exemplo, se cada um gastar R$ 500 por dia, são R$ 16 milhões que entram”, calcula.

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do DF, Adelmir Santana, concorda: “O Moto Week é muito importante e atrai pessoas de alto poder aquisitivo do país inteiro e até de outras partes do mundo. Movimenta a hotelaria, o comércio e promove a capital do país do ponto de vista turístico. Tem inúmeros shows com artistas de renome. Isso agita a cidade. Muitos se hospedam, trazem familiares e, por isso tudo, é algo que merece destaque. Engrandece a capital e nos divulga lá fora. É, além de tudo, inteiramente privado, em um momento que nossa cidade precisa tanto disso”.

“É um evento cada vez mais forte, com cada vez mais participantes. A cidade inteira se envolve, e o melhor: o dinheiro fica por aqui”, acrescenta Jael Antônio da Silva, presidente do Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes de Brasília (Sindhobar).

Comércio Moto Week

A movimentação financeira é resultado de um investimento de R$ 5,6 milhões feito pela organização do evento para erguer e manter a estrutura que concentrará diversas lojas; uma exposição de motos históricas promovida pelo Correio Braziliense; três praças de alimentação; espaço para food trucks, além de locais destinados a shows e área de campings e tendas especiais para moto clubes.

Um dos organizadores, Marco Antônio Portinho explica que a festa reúne motociclistas, mas também é um espaço cultural e familiar atrativo para o brasiliense, o que ajuda a popularizá-lo. “O mesmo ocorre com as pessoas que vêm apresentar seus produtos e vendê-los aqui. Temos grandes empresários, montadoras, mas também há pequenos comerciantes da região”, explica.

“O evento só cresceu porque Brasília o abraçou. Nós nos tornamos internacionais, mas isso se deve ao fato de a cidade ter aceito o Moto Week. Somos voltados para a moto, o rock, o blues, mas em um ambiente familiar. Batemos na tecla do consumo responsável, não permitimos bagunça e temos espaço para todos, inclusive para as crianças”, acrescenta o também organizador Pedro Affonso Franco.

A área da Granja do Torto, onde tudo acontece, foi dividida em 114 lojas. Os espaços custaram entre R$ 5 mil e R$ 25 mil, dependendo da localização e da empresa que fez a reserva. Também há música. “Este ano, teremos 48 bandas. Entre elas, Paralamas do Sucesso, Jota Quest, Detrito Federal, Scalene, Marcelo Nova e outras (veja Box). As apresentações serão divididas entre o palco principal; um pub voltado para um público jovem, além de um saloon de rock country. E, em 2018, queremos trazer uma banda internacional”, adianta Portinho.

Um lado social

Para incentivar o respeito e a igualdade de gêneros, o Moto Week montou também o Lady Bikers, espaço preparado para exaltar as motociclistas. Responsável pelo projeto, a diretora administrativa e financeira do evento, Juliana Jacinto da Silva, explica que existem moto clubes formados só por mulheres, e outros mistos, com presidentes mulheres. “Criamos o espaço após uma série de reuniões e conversas com diversos clubes. Falamos com grupos de todo o país. Criamos o Lady Bikers com 18 espaços na avenida principal, que inclui salão de beleza, um bar com uma DJ e uma tatuadora. É um conceito que atende à demanda feminina do mundo das motocicletas. Não é uma coisa que tiramos da nossa cabeça, mas algo que já se mostrava necessário”, destaca Juliana.

O evento também tem um lado social. Hoje, serão recebidas 75 crianças que sofreram algum tipo de abuso. O grupo vai chegar no Parque de Exposição da Granja do Torto às 15h e participará de uma série de atividades e shows. “Dentro do evento, pensamos nas responsabilidades social e ambiental. Faremos uma triagem dos resíduos sólidos, que serão doados a uma cooperativa de Brazlândia. Vamos deixar diversas mudas que serão plantadas após o início das chuvas, para compensar o CO² gerado pelo Moto Week. Contratamos um engenheiro que está trabalhando com a triagem e a compensação de poluição e vamos repassar essas informações para todos os moto clubes presentes. Esses grupos funcionam como embaixadores e multiplicam o conhecimento”, ressalta Juliana.

Serviço

Brasília Moto Week é o maior encontro de motociclistas da América Latina
Onde: Parque de Exposições da Granja do Torto.
Quando: O evento teve início em 21 de julho e vai até 30 de julho, domingo.
Quanto: A meia-entrada, mediante apresentação de documento válido que comprove o benefício, ou doação de 1kg de alimento não perecível, custa R$ 25. O passaporte promocional para 10 dias de acesso sai por R$ 125 e também exige doação de alimento ou apresentação de documento.

Fonte: Correio braziliense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *