Brasil

Na véspera do Dia da Consciência Negra, seguranças matam homem negro a socos em Carrefour de Porto Alegre

Foto: REPRODUÇÃO

Os autores do crime seriam dois seguranças do Carrefour do bairro de Passo d’Areia, na Zona Norte da capital gaúcha. Veja vídeo:

Por Victor Farinelli

Barbárie em Porto Alegre em plena véspera do feriado pelo Dia da Consciência Negra. Dois seguranças da loja do Carrefour no bairro de Passo D’Areia espancaram um homem negro, identificado como João Alberto Silveira Freitas. A vítima tinha 40 anos e morreu em decorrência da agressão que sofreu.

Relatos de testemunhas afirmam que o espancamento teria sido justificado por uma suposta discussão entre a vítima e uma mulher que seria funcionária do supermercado. Segundo o Zero Hora, uma testemunha contou que João Alberto teria ameaçado a agredir a mulher, mas depois foi embora, mas acabou sendo seguido pelos seguranças, que depois o agrediram.

A Brigada Militar do Rio Grande do Sul (similar à Polícia Militar nesse estado) informou que os dois seguranças foram presos em flagrante e que a versão deles é que a vítima teria sido agredida por “se negar a deixar o estabelecimento”, o que contrasta com a versão das testemunhas, que indicam que ele saiu voluntariamente, foi seguido e agredido somente na saída do local.

Também em entrevista ao Zero Hora, o delegado Leandro Bodoia, que está analisando o caso, afirmou que “no momento, ainda não podemos determinar o que de fato ocorreu. Não encontramos nenhum armamento no local. Agora, vamos ouvir todos os envolvidos e ver o que está nas câmeras para saber o que exatamente aconteceu”.

Manuela D’Ávila, candidata à Prefeitura de Porto Alegre pelo PCdoB, comentou o caso poucos minutos depois de terminado o debate na Band. “Estava no debate da Band e na saída soube do assassinato de um homem negro pela abordagem violenta dos  seguranças do estacionamento do Carrefour. Sei q já há pedido de investigação sendo feito por parlamentares e pela bancada antirracista recém eleita. Mas as imagens dizem muito”, declarou”.